Era uma vez…

Só nos resta torcer por um futebol melhor!

Na fábula da Bela Adormecida, os anões dançam em volta da princesa que pensavam estar morta. O final é feliz, como em quase todas as fábulas.

No entanto, há uma mais recente em que o final não foi tão feliz.

Era uma vez um jogador com apelido de anão que passou ao posto de técnico da Seleção de futebol mais festejada mundialmente e que prometeu mudar os desacertos do último treinador!

Do outro lado, na terra vizinha, havia um outro jogador que passou a treinador da Seleção de futebol que possuía o mais badalado jogador da atualidade, considerado o melhor do mundo!

No entanto, os dois foram engolidos pelo Imponderável do Futebol, o monstro que provou que não há lógica no velho esporte Bretão!

Dunga passou quase quatro anos à frente da Seleção Brasileira, convocou inúmeros jogadores, fez uma extensa progamação, retirou da equipe jogadores considerados “problemas” e ganhou quase tudo enquanto esteve no comando, perdendo, até então, somente as Olimpíadas.

Maradona pegou uma equipe desfigurada, com craques, mas sem organização, conseguiu uma classificação bisonha no último jogo das elminatórias e era questionado pela imprensa do país.

Na convocação, Dunga primou por jogadores de seu “grupo”, jogadores considerados medianos, mas que eram unidos e trabalhavam com seriedade, não contestavam concentração, não reclamavam de nada que o comandante impunha, em detrimento de jogadores muito mais consagrados ou em melhor fase, tais como Ronaldinho Gaúcho, Roberto Carlos, Adriano, Diego, Hernanes, Ganso, Neymar e Pato…

Maradona convocou quase todas as estrelas, deixou para trás Riquelme que nunca foi na Seleção o que era nos clubes, Cambiasso e Zanetti, pelo que foi criticado.

O país confiou em Dunga e não reclamava tanto do feio futebol jogado pela Seleção porque o treinador dizia que não estava procupado em dar espetáculo, mas em conquistar o título pois “futebol é resultado”. Queria resgatar o orgulho, patriotismo e amor do povo pela Seleção, renegando toda a história e cultura do nosso futebol!

Maradona confiava em seus craques e respondia que na Copa a equipe teria um grande desempenho.

O treinador brasileiro era arrogante e mal-educado em suas entrevistas, já o argentino era engraçado e bem-humorado.

Nossa Seleção vinha de um trabalho sério, com grande preparação, com base sólida, estruturada, sem o auê que se criou em 2006. A deles teve uma preparação bagunçada, vários técnicos, má campanha nas eliminatórias, uma quizumba só.

Dunga fazia treinos fechados e concentração rígida. Maradona liberava convívio com família, vinho e sexo.

Começou a Copa e a Seleção de Dunga jogava feio, jogava sério, por resultados. A Argentina apareceu jogando um futebol vistoso, com belos gols, belos lances e encantava.

Ambas se classificaram. Ambas passaram às quartas-de-final sem problemas. Ambas sucumbiram de maneira imprevisível perante seus adversários.

O forte da Seleção Brasileira era a defesa.

O fraco da Seleção Argentina era a defesa.

Jogo contra a Holanda, a defesa brasileira falhou duas vezes e foi derrotada. Jogo contra a Alemanha, a defesa argentina é envolvida com tamanha facilidade que os quatro à zero pareceram pouco.

A Seleção de Dunga falhou onde não poderia falhar, a de Maradona falhou onde todos sabiam que iria falhar.

Dunga pensou que se ganhava Copa do Mundo sem futebol, sem grandes craques, sem criatividade, imaginou que só a união do grupo, o patriotismo e a vontade de ganhar bastaria para superar seus adversários. Ele se esqueceu que do outro lado havia uma outra seleção que também tinha vontade de ganhar.

Maradona pensou que seu craque Messi decidiria no momento em que precisasse e se esqueceu que só existiu um Maradona até agora na Argentina e ele agora era só um rascunho de técnico.

O Brasil saiu sem jogar seu futebol arte, sem empolgar o torcedor brasileiro, saímos da Copa sem termos a certeza se realmente ainda temos o melhor futebol do mundo, pois, na verdade, o nosso apresentado foi mais feio que o apresentado por Uruguai, Argentina, Holanda, Alemanha, Espanha…eu juro que muitas vezes que via nossa Seleção jogar, parecia que via o Paraguai ou os EUA, sem querer ofender essas equipes.

A Argentina foi humilhada em seu último jogo, porém, ao menos fez seu povo sorrir durante os outros jogos…e ainda terminou na frente do Brasil.

Um organizado durante anos, cheio de regras e jogando feio demais; o outro bagunçado, cheio de problemas e jogando mais bonito; ambos eliminados!

Futebol é assim, não tem lógica e nem sempre finais felizes…mas não dá pra aguentar mais quatro anos de futebolzinho de time pequeno, pensando que um bando de cordeirinhos é suficiente para ganhar uma Copa.

Quem ganha Copa é craque!!!

Dunga já vai tarde e que leve consigo Jorginho, Felipe Melo, Kléberson, Gilberto Silva, Gilberto, Doni, etc, etc, etc!

Anúncios

Uma resposta em “Era uma vez…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s