A sorte do amor

Só queria que entendesses
Que eu gosto de você
Te adoro e quero bem

Mas se pra você isso não importa,
Sem prefere joguetes
Ou se meu jeito te repele,
Não te deixe refém dessa relação,

Essa não, não temos nem uma relação,
É apenas uma equação bizarra em que seu amor é produto de um cálculo que errei.

Não me peças pra ficar, pois elencou meus defeitos para esta peça que, convenhamos, não foi nenhum espetáculo ,

Nem um tango, nem um fado…ao fracasso está fadado, sem apelo a um réquiem, pois é melhor enterrar essa ilusão sem quaisquer formalidades ou, como dirias, para ter praticidade.

Eu insisto porque te amo
e talvez te amar tenha sido meu maior defeito,
Não concordo o verbo com o sujeito, mas também não concordo em me calar.

Que sejas feliz e que feliz eu seja,
Não repilo um sentimento assim, mas se assim o faz, me resta, tão-somente, te desejar sorte, pois de sorte vive o homem que não vive do amor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s