AEROPORTOS

aviao_e_doce_do_sinal_do_amor_do_coracao_adesivo-r771d6e60b82e4fa3923ba5d18997d07b_v9i1a_1024

imagem: zazzle.com.br

Aeroporto, um dos lugares que mais gosto de frequentar! Talvez porque goste de viajar, talvez pelo ar cosmopolita, talvez porque gosto de voar, simplesmente, não sei.

A única coisa ruim dos aeroportos é o corre-corre das pessoas atrás de seu vôo, portão de embarque e informações.

Encontrar seu vôo naquelas plaquetinhas que ficam girando rapidamente é um baita estresse; dá agonia só de ficar olhando aquilo girando e você procurando o portão de embarque, número do vôo, horário de decolagem, e quando você identificando tudo direitinho, a porra toda gira e troca tudo de novo e quando volta, ahhhhhhhhhhhh, não volta na mesma ordem não, só pra te atrapalhar.

Às vezes eu sinto que a busca pelo amor é assim também, tal qual a angustiando busca pelo seu vôo, quando você crê que encontrou alguém legal, que bateu o signo, que o papo é bom, que na cama é um tesão, aparece algo que desestimula uma das partes.

Pode ser o suor dele ou a tatuagem de time dela, pode ser o chulé de ambos, mas pode ser também os objetivos desconexos, os caracteres de cada um que se confrontam, ou pode ser apenas Deus tirando uma onda da sua cara: – “ah, vai pagar muita oferenda pra Yemanjá e colocar muito Santo Antonio de ponta cabeça até encontrar seu amor!”

Nem sempre se consegue explicar, muitas vezes você está animado com a pessoa, sai com ela, começa tudo bem e daqui à pouco parece que a pessoa vai lhe aborrecendo, se tornando chata, desagradável e a imagem da perfeição que você tinha passa a ficar desfragmentada, destorcida e não flui nem que tivesse um descarrego na hora.

É, eu sei, isso é frustrante, parece que o errado somos nós mesmos, que chegamos atrasados no aeroporto, que não fizemos o check in direito, que erramos de portão de embarque, que esquecemos o passaporte, sei lá, mas claro que é mais fácil culpar os outros, o trânsito, o taxista, o atendente da companhia aérea…

E assim também é na vida, é muito mais fácil culparmos a pessoa com quem estamos saindo, pois esquecemos que o grau de exigência é imposto por nós mesmos, que os defeitos somos nós que procuramos e que, muitas vezes, nós que somos incapazes de amar incríveis pessoas que passaram pela nossa vida.

Por mais que tentemos acreditar que o amor é algo do destino, cabe sempre lembrar que somos responsáveis por permitir ou não que pessoas entrem em nossas vidas, que somos mais ou menos flexíveis de acordo com nossos próprios interesses ou momentos e que esse lance de destino, muitas vezes é só uma desculpa pra descartar alguém legal que nosso íntimo insiste em despistar sem nenhuma razão plausível.

Da mesma forma é com os vôos, por mais difícil que seja difícil acompanhar as plaquinhas mudando de uma hora pra outra, a culpa de perder o avião não é somente do aeroporto, mas também de quem não se preocupou em chegar a tempo de fazer tudo com calma e serenidade.

E assim vão mudando os destinos das plaquinhas com a mesma velocidade que se mudam as relações, sem que percebamos que muitas vezes era só uma questão de não ter pressa em pegar o vôo ou um novo amor, pois quando menos você esperar, estará ali, de frente a você, escancarado, seja o portão de embarque, seja a quem vai amar para o resto da sua vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s